Como conquistar e multiplicar seu primeiro milhão – Parte I

Como conquistar e multiplicar seu primeiro milhão – Parte I

O especialista em finanças Gustavo Cerbasi dá dicas de como constituir um patrimônio, sem abrir mão do lazer e da qualidade de vida.

O Grupo Senzala marcou presença no jantar-palestra com 
Gustavo Cerbasi (centro). Na foto, Augusta Coutinho Loch, 
da Senzala Imóveis, e André Coutinho, da Senzala Corretora
 de Seguros.

Crédito abundante, juros decrescentes, facilidade de parcelamento. Combinação atraente que encoraja o consumo, mas que pode resultar em dor de cabeça e noites sem dormir, se não for usufruída com cautela. Os especialistas argumentam que o consumo a prazo sem planejamento financeiro é o principal fator que tem levado ao atraso das prestações e consequente endividamento das famílias.

Levantamento do Sistema de Proteção ao Crédito de São Paulo (SPC), de setembro, revelou que 54% de 623 famílias entrevistadas estão com a renda comprometida com compras parceladas no cartão de crédito e 64% têm mais de um cartão. Cheque especial e sistema rotativo de cartão de crédito são os principais vilões do endividamento.
Para ajudar a minimizar este cenário, o especialista em finanças e autor do best-seller “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos”, Gustavo Cerbasi, esteve em Curitiba em jantar-palestra, promovido pela Icatu Seguros, para falar sobre educação financeira e as estratégias para conquistar ou multiplicar o primeiro milhão.

Neste post, vamos dar dicas de como se deve planejar o orçamento familiar. No próximo, falaremos sobre as formas de investimento disponíveis.

Fórmula para a abundância financeira
  • Gaste seu dinheiro com qualidade, menos do que ganha, e invista a diferença.
  • Evite o cheque especial e o cartão de crédito.
  • Não deixe de ter momentos de lazer e qualidade de vida, mas diminua o padrão, se necessário.
  • Divida as suas despesas em custos fixos e variáveis. Se aparecer uma emergência, é possível reduzir ou cortar os custos variáveis, sem comprometer a rotina financeira da casa e da família.
  • A renda deve ser distribuída em três “baldes” – gastos básicos, investimento e luxo – respectivamente nesta ordem.
  • Não passe direto do “balde” dos gastos básicos para o luxo. O investimento é parada obrigatória neste caminho. Lembre-se que o luxo é o primeiro balde a ser esvaziado em caso de emergência.
  • Não engesse demais os gastos básicos, mas também não supervalorize. Diminuir o padrão pode ser uma boa solução para equilibrar as finanças.
  • Dê certeza ao valor investido, programando-se para destinar um valor fixo mensal à aplicação, a fim de alcançar a meta definida, no tempo esperado.
  • Torre o dinheiro com o luxo, mas somente com o que sobrar depois da alocação dos recursos em gastos básicos e investimentos.
Os ingredientes da abundância financeira
  • Tempo: se você for jovem, é mais aconselhável que invista na carreira profissional do que em aplicações financeiras. Se tiver mais idade, dedique parte do seu tempo para conhecer as modalidades de investimento disponíveis, diversificando a carteira;
  • Juros compostos: a relação deve ser de ganho sobre ganho.
  • Decisões inteligentes: resultam do tempo destinado aos investimentos. Aprender com os erros também é fundamental.
  • Dinheiro: sem capital, não há como investir. Em vez de argumentar que não tem renda suficiente para poupar, faça uma revisão das despesas e estabeleça uma meta mais razoável para investimento, destinando um valor fixo mensal.